Informe-se Clipping

Sob pressão de Bolsonaro, BB avalia revisar programa de enxugamento

Após ameaça de demissão do presidente André Brandão, banco pode ajustar plano, mas deve impor condições


Fonte: Folha de S. Paulo - 15 de Janeiro de 2021

O motivo da fúria de Bolsonaro foi o anúncio da reestruturação do banco, feito na segunda-feira (11). O plano levará ao fechamento de 361 unidades, sendo 112 agências, além de prever um programa de desligamento voluntário que pode provocar a saída de 5.000 funcionários.
 
Uma pessoa que acompanha o embate afirma que é possível que seja negociada uma saída que faça o programa de enxugamento ficar mais palatável para o governo, desde que seja mantida a essência de ajuste do banco.
 
A avaliação é que não faria sentido alterar o plano de demissão, embora não seja impossível mudar prazos e reduzir o escopo do programa. Isso porque os desligamentos seriam voluntários, voltados especialmente a pessoas que estão perto de se aposentar e com benefícios –as indenizações chegam a R$ 450 mil por funcionário, além de outros direitos.
 
Uma parte da reestruturação que teria uma chance maior de flexibilização é o fechamento de agências, que gerou descontentamento entre parlamentares. O banco poderia rever postos incluídos no enxugamento e buscar outras medidas para cortar despesas.
 
Ainda assim, internamente, há a percepção de que o plano é criterioso e foi pensado para não prejudicar os correntistas. Segundo uma fonte, o banco segue o movimento do mercado no sentido de reduzir estruturas físicas e ampliar os canais digitais.
 
O fechamento de agências também prevê a manutenção de correspondentes bancários, com estrutura menor e que fazem a maior parte dos serviços considerados essenciais, como saques, depósitos, pagamento de boletos e retirada de extratos.
 
A tentativa de interferência de Bolsonaro é vista com preocupação no banco, que, diferentemente da Caixa Econômica Federal, é uma instituição de mercado, tem capital aberto na bolsa de valores e recebe cobrança para dar rentabilidade aos acionistas e ter nível de eficiência similar aos seus pares no sistema financeiro.
 
Alvo da fritura no governo, Brandão está despachando desde quarta-feira de São Paulo. Ele decidiu seguir com a agenda na capital paulista, embora tenha afirmado que está à disposição para fazer contato com o governo.
 
Segundo relatos, o presidente do BB é convicto sobre a importância do programa de reestruturação, está tranquilo e não tem apego ao cargo. A interlocutores, ele afirmou que deixará para Guedes e Bolsonaro a decisão final sobre sua situação e poderá sair do posto, se necessário.
 
Uma pessoa próxima a Brandão afirma que ele já esperava o descontentamento político e reconhece que o momento da medida foi ruim porque a decisão deu munição contra o governo nas negociações para a eleição da cúpula do Congresso, em fevereiro.
 
Antes do lançamento da reestruturação, Guedes foi informado das medidas que seriam adotadas. O ministro apoia o plano.