Notícias Notícias

Crédito registra queda de 2% em 12 meses e estabilidade em setembro

Nota divulgada pelo Banco Central também aponta para queda nas taxas de juros e recuo na taxa de inadimplência - 27 de Outubro de 2017

Na manhã desta sexta-feira (27), o Banco Central (BC) divulgou o balanço de setembro sobre operações de crédito, taxa de juros e inadimplência. De acordo com nota distribuída à imprensa, o saldo total das operações de crédito do sistema financeiro chegou a R$ 3.048 bilhões, mostrando estabilidade no mês e recuo de 2% em 12 meses. O crédito a pessoas físicas cresceu 0,2% no mês e 4,7% em 12 meses, enquanto que a carteira de pessoas jurídicas encolheu 0,4% e 8,7% nos mesmos períodos. A relação crédito/PIB ficou em 47,0%; em setembro de 2016 essa relação era de 50,2%.
 
Já o saldo com recursos livres registrou alta 0,2% no mês e retração de 1,1% em 12 meses. O destaque para setembro foi a expansão de 0,5% do crédito às empresas. Em capital de giro, apesar de estabilidade nas concessões do mês, prevaleceu a redução de saldos determinada pelas liquidações de operações. Na carteira de pessoas físicas, as reduções em cheque especial e cartão à vista compensaram as expansões em crédito consignado e financiamento de veículos.
 
Os financiamentos com recursos direcionados (veículos, imóveis etc.) mostraram queda de 0,3% no mês e 2,9% no acumulado em 12 meses, com redução de 1,2% em setembro no segmento de pessoas jurídicas, em especial nos financiamentos para investimentos com recursos do BNDES, conforme divulgado anteriormente. Já as operações com pessoas físicas cresceram 0,6% no mês, com destaque para o crédito rural, com o aumento da demanda para o custeio da safra de grãos.
 
Na segmentação segundo os setores de atividade econômica, os créditos destinados à indústria caíram 1,3% no mês (sendo que no ramo de transformação a retração foi de 1,9%), enquanto os empréstimos ao setor de serviços aumentaram 0,6%, com recuperação 1,2% das operações do segmento de comércio.
Regionalmente, consideradas as operações acima de R$ 1 mil, em setembro destacaram-se os aumentos de 0,6% no Norte e de 0,1% no Sudeste e a redução de 0,4% no Nordeste.
 
Taxas de juros e inadimplência
De acordo com o BC, em setembro, o custo médio das operações de crédito ativas, aferido pelo Indicador de Custo do Crédito (ICC), apresentou redução de 0,3%, situando-se em 21,8% ao ano (ou seja, redução de 1,3% em 12 meses). No crédito livre, o indicador recuou 0,8% no mês e 3,4% em 12 meses, para 35,9%, permanecendo em 8,9% ao ano desde fevereiro no crédito direcionado.
 
A taxa média de juros das operações de crédito do sistema financeiro atingiu 27% ao ano em setembro, com queda de 1,4% no mês e 6,1% em 12 meses. No crédito livre, a taxa média situou-se em 43,3% ao ano, enquanto, no direcionado, caiu para 9,3%.
 
No segmento de pessoas físicas, a taxa média de juros recuou 1,7% no mês e 9% em 12 meses, para 33,9% ao ano. Nas contratações com recursos livres, a taxa alcançou 59,2% ao ano, com redução de 3,1% em setembro. Nesse cenário, destacam-se recuos no cartão rotativo não-regular de 106,8% e no crédito pessoal não consignado de 3,1%. No crédito direcionado, o custo médio mensal baixou de 8,5% para 8,4% ao ano.
 
Nos empréstimos às empresas, a taxa média situou-se em 17,5% ao ano. No crédito livre, os juros declinaram 1,1%, para 23,2% ao ano, com reduções em diversas modalidades. No crédito direcionado, a taxa diminuiu 1,4%, para 10,7% ao ano, com ênfase na redução de 1,8% nos financiamentos para investimentos com recursos do BNDES.
 
A nota também reporta recuo que a taxa de inadimplência das operações de crédito do sistema financeiro, correspondente aos atrasos superiores a noventa dias, situou-se em 3,6%, com mínimo declínio, de 0,1% no mês e em 12 meses. Em setembro, a taxa recuou 0,2% no segmento de empresas, para 3,3%, e manteve-se estável em 3,9% no crédito às famílias. No segmento livre, a inadimplência apresentou queda de 0,2%, enquanto no direcionado, manteve-se em 1,8%.