Imprensa Notícias

Vendas do varejo caem 0,1% em maio, diz IBGE

Frente ao mesmo mês de 2016, contudo, atividade cresceu 2,4%, favorecida pelo bom desempenho de móveis e eletrodomésticos no mês do Dia das Mães.
Fonte: G1 - 12 de Julho de 2017

s vendas do comércio varejista brasileiro recuaram 0,1% em maio frente ao mês anterior (com ajuste sazonal), informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (12). Contudo, em relação a maio de 2016 o varejo cresceu 2,4% (sem ajuste sazonal), o melhor resultado para o mês desde 2014 nesta base de comparação.

Ambos resultados ficaram abaixo do esperado pelo mercado. Segundo pesquisa da Reuters, a expectativa era de alta de 0,35% na comparação com abril e avanço de 3,20% contra maio de 2016.

Em abril, as vendas haviam tido o melhor resultado para o mês em 11 anos, com avanço de 1,0% frente a março.
"O volume de varejo se mantém estável, mas em um patamar abaixo de índices registrados no passado. Há margem para recuperação, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido", afirmou Isabella Nunes, gerente da Coordenação de Serviços e Comércio do IBGE. "A recuperação do setor varejista passa necessariamente pela recuperação do mercado de trabalho", acrescentou.
 

Vendas do comércio
Variação frente ao mês anterior, em %
Mês contra mês anteriorJunh/16Jul/16Ago/16Set/16Out/16Nov/16Dez/16Jan/17Fev/17Mar/17Abr/17Mai/17


Frente a abril, o maior recuo foi no setor de tecidos, vestuário e calçados (-7,8%), seguido de livros, jornais, revistas e papelaria (-4,5%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-2,8%). Na outra ponta, hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo subiram 1,4%; móveis e eletrodomésticos, 1,2%; artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos, 0,9% e combustíveis e lubrificantes, 0,6%.

"As atividades mais básicas como o supermercadista e de farmacêutica mostraram um avanço em relação a abril, respondendo um pouco por essa renda real menos comprimida por conta da redução da inflação. Porém existem outros fatores que impactam no consumo das famílias, principalmente o mercado de trabalho que se mantém em taxas elevadas de desemprego", diz.

Avanço frente a maio de 2016
A principal contribuição para o avanço de 2,4% frente a maio do ano passado, período de comemoração do Dia das Mães, veio do setor de móveis e eletrodomésticos. Segundo o IBGE, a dinâmica das vendas desse segmento, em maio de 2017, pode ser associada à "redução da taxa de juros às pessoas físicas e a recomposição da massa de rendimentos reais habitualmente recebidos".

A alta de 5% no setor de tecidos, vestuário e calçados também ajudou, com a maior contribuição positiva frente a maio do ano passado. "A comemoração do Dia das Mães, com impactos positivos particularmente nas vendas desse setor, contribuiu para um avanço no volume de vendas acima da média geral", afirma o IBGE.
 

Vendas por categoria
Resultado de maio/2017 contra maio/2016, em %
13,813,8553,83,88,88,82,62,60,10,1Móveis e eletrodomésticosTecidos, vestuário e calçadosArtigos farmacêuticosEscritório/informáticaArtigos pessoaisHipermercados

 


No acumulado de 2017, a atividade do varejo acumula queda de 0,8%. Já nos últimos doze meses, a atividade do varejo recua 3,6% até maio. Segundo o IBGE, isso sinaliza um ritmo de queda menor desde outubro de 2016, quando houve recuo de 6,8%.

Varejo ampliado
O comércio varejista ampliado, que inclui além do varejo as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, registrou queda de 0,7% sobre abril no volume de vendas, na série com ajuste sazonal.

Em relação a maio de 2016, o varejo ampliado cresceu 4,5% tanto para o volume de vendas, quanto para receita nominal de vendas, o melhor resultado desde 2014, segundo o IBGE. Nos resultados acumulados, houve queda de 0,6% no ano e de 5,2% nos últimos 12 meses, para o volume de vendas.