Notícias Notícias

Por que ainda não dá para garantir que o Brasil saiu da recessão

De acordo com economistas, essa é a fase "eletrocardiograma", com alternância de números positivos e negativos, e crise política pode colocar tudo a perder
Fonte: EXAME - 05 de Junho de 2017

São Paulo – “Hoje é um dia histórico. Depois de dois anos, o Brasil saiu da pior recessão do século”.

É o que diz a nota de Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, sobre o PIB do 1º trimestre de 2017 divulgado pelo IBGE na manhã desta quinta-feira (1).

 

A economia brasileira cresceu 1% no 1º tri em relação ao 4º tri de 2016, encerrando uma série de dois anos com resultados negativos.

 

O número veio na linha do esperado pelo mercado e foi puxado pelo desempenho excepcional da agropecuária, que cresceu 13,4% em relação ao tri anterior e 15,2% em relação ao mesmo período de 2016.

 

“Sem agropecuária, o PIB ficaria estagnado. Todo o crescimento de fato veio daí. Essa recessão é diferente das outras porque houve muita expansão do crédito e não tem nada que puxe a demanda”, diz Silvia Matos, coordenadora de boletim macroeconômico do IBRE/FGV.

 

Os componentes de demanda interna ainda estão em queda, incluindo o consumo das famílias – que é o mais importante e caiu pela nona vez seguida, embora tenha tido o melhor desempenho nessa base de comparação desde o 4º trimestre de 2014.

 

A taxa de investimento como proporção da economia caiu mais de um ponto percentual em um ano: foi de 16,8% no primeiro trimestre de 2016 para 15,6% no primeiro trimestre de 2017.

 

Já entre os setores, o mais importante (Serviços) ficou estagnado enquanto a Indústria subiu 0,9%.

 

“Estamos sim em uma trajetória de recuperação, com algumas dificuldades, mas saímos do fundo do poço. A questão do ciclo é importante, ele tem uma dinâmica própria e está em uma fase ascendente. O ajuste de estoques está encerrado”, diz Chico Pessoa, economista da LCA Consultores.

 

Uma recessão “técnica” se configura quando o PIB cai por dois trimestres seguidos, mas não há critério similar para cravar o fim de uma recessão. No nosso caso, é difícil dar a crise econômica por encerrada.

 

Silvia compara a recuperação com um “eletrocardiograma” e diz que o país saiu de uma recessão severa para uma estagnação: “é que nem regime, perder é mais fácil do que manter”.

 

O segundo trimestre terá vários ventos contra e pode ter resultado negativo. A agropecuária não vai escapar de um ajuste e a expectativa é que os números da indústria em abril, que serão divulgados amanhã (2), tenham sido fracos.

“Estamos naquela fase de alternar números positivos e negativos e esse já é, infelizmente, velho e atrasado e não diz muito por causa da bomba política de maio. Pode ficar forte a discussão de talvez voltarmos a uma recessão, ainda que não na intensidade que tivemos”, diz Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados.

 

A crise política disparada pela delação de executivos da JBS envolvendo o presidente Michel Temer traz turbulência aos mercados e afeta a confiança de investidores e consumidores.

 

Isso já foi verificado em pelo menos uma pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

 

Além disso, o enfraquecimento da base do governo reduziu muito a chance de aprovação de reformas estruturais, com foco na Previdência, considerada essencial para a sustentabilidade das contas públicas.

 

“O consumo privado caiu 9,7% desde o final de 2014 enquanto o consumo público caiu meros 2,4% no mesmo período de 2 anos. Isso mostra que o fardo do ajuste macroeconômico em curso continua caindo desproporcionalmente sobre o setor privado”, diz a nota de Alberto Ramos, chefe de pesquisa econômica de América Latina no Goldman Sachs.

 

Na noite de ontem, o Copom decidiu por um novo corte de 1 ponto percentual nos juros, mas sinalizou que o ritmo deve ser reduzido nas próximas reuniões.

 

A queda da inflação e o afrouxamento da política monetária, terão agora menos força do que antes para acelerar a recuperação.

 

No Twitter, o presidente Michel Temer disse que os números são “resultado das medidas que estamos tomando” e que “com as reformas, vai crescer mais ainda”.

 

Segundo Vale, “o governo até agora conseguiu fazer muita coisa que nem se imaginava, um conjunto que vai ter seu impacto positivo nos próximos anos.”

 

No entanto, um caminho de crescimento mais sustentável e vigoroso depende da solução da crise política e a continuidade de um cenário reformista após as eleições de 2018: “infelizmente, está de novo nas mãos de Brasilia”.

E o que não falta é chão para recuperar. Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, aponta que se antes do crescimento, o PIB estava no patamar do início de 2010, agora está no patamar do fim de 2010.